quarta-feira, 23 de maio de 2018

A CASA DA FLOR: HISTÓRIA E ARQUITETURA POPULAR EM SÃO PEDRO DA ALDEIA - RJ

FOTO/REPRODUÇÃO GOOGLE

Ano passado (2017), na cidade de São Pedro da Aldeia-RJ, participei de um sarau de poesias em comemoração ao dia da consciência negra. O evento foi todo adornado pela História e pela cultura do movimento afro. Na minha oportunidade no evento, abordei a importância do negro na nossa formação histórica e cultural, a qual quase sempre é escrita sem documentos oficiais e sem escritos políticos. E foi nessa oportunidade que conheci a casa da flor, um patrimônio histórico cultural, localizado na cidade de São Pedro da Aldeia – Região do lagos do Rio de Janeiro. Arquitetura longe dos padrões europeizados, sem pompas de azulejos de fama, mas com bastante brasilidade.

Gabriel Joaquim dos Santos (proprietário da casa da flor), um dia disse: “Uma casa feita de caco e transformada em flor.” Nascido em 1892, filho de um escravo com uma índia, Gabriel esculpiu a casa da flor usando cacos de vidro, cacos de louça, cacos de cerâmica, cacos de ladrilhos, conchas... Gabriel trabalhava na roça, analfabeto, tendo se alfabetizado aos 80 anos de idade. Não obstante, sua posição social não o impediu de criar este patrimônio cultural do país. Infelizmente, Gabriel faleceu em 1985, deixando sua obra de arte e um legado histórico e cultural do povo brasileiro. Vale a pena visitar.

Morei em São Pedro quase um ano, diante de muitos percalços políticos que o Rio de Janeiro passou, e diante de monumentos históricos bonitos e valorizados. No interior do Rio de Janeiro, foi onde eu descobri a casa da flor, nada tão importante e bonito diante de nossa vista, todavia, a frase de Gabriel descreve bem a poesia inserida nessa arte: “Uma casa feita de caco e transformada em flor.” Isso retrata bem nosso país e a luta do povo Brasileiro diante dos percalços políticos envoltos em cacos com um povo lutador, que transforma seu dia a dia em flores.

 Texto Por: JONAS CARREIRA
Topo